Skip to main content

Maratona. Força e flexibilidade

Artigos, Maratona 0 Comment

corrida1A participação em uma Maratona exige muita dedicação e treino. O treino diário é árduo, mas gratificante, ao ver-se concluído o projecto maior: “vencer” a maratona!

Na rotina de treino, entretanto, não é suficiente apenas correr e correr. É preciso mais. Um conselho muito útil é que o treino deve ser planeado e orientado por profissionais especializados, para que os riscos de uma lesão sejam minimizados.

A corrida realizada diariamente parte fundamental da preparação por mais fácil que pareça, pode gerar lesões em músculos e articulações mal condicionados. Essas estruturas, devido à exposição contínua aos estímulos do exercício da corrida, podem apresentar danos ao longo do período de treino.

Vale lembrar que muitos factores exercem influências decisivas nesta questão, como por exemplo: O tipo de terreno em que se treina, o calçado utilizado, a alimentação e o repouso, entre outros. Tudo isso, somado, pode deixar o organismo do corredor propenso a lesões oportunas.

Assim, faz-se necessário que o treino seja complementado com exercícios que não sejam específicos à corrida, mas que estejam ligados a ela, de forma a potencializar a capacidade do corredor e minimizar os riscos de uma lesão.

As lesões, que podem ser adquiridas por excesso de treino, treino inadequado ou falta de exercícios de força e flexibilidade são motivos de grande frustração, pois acabam com os sonhos e as esperanças do corredor!

O treino da flexibilidade e da força muscular, portanto, sempre fará parte da rotina de todo corredor dedicado. O treino da flexibilidade deverá ser realizado diariamente, principalmente após o treino, com o objectivo de aliviar a tensão provocada pelas constantes contracções musculares durante a corrida (relaxamento muscular).

Músculo tenso é sinonimo de lesão! O corredor que possui uma boa flexibilidade realiza movimentos mais amplos (uma passada maior, por exemplo), apresenta um melhor desempenho e reduz significativamente os riscos de lesões.

Para se treinar a flexibilidade, utilizamos os exercícios de alongamentos, sendo que os mesmos devem actuar directamente nos músculos mais exigidos durante a corrida.

A força muscular é outra capacidade motora que não deve ser negligenciada pelos corredores, pois é imprescindível para um óptimo desempenho. Músculos mais fortes e resistentes podem fazer a diferença durante o longo caminho percorrido pelo corredor até a linha de chegada.

A expressão da força muscular do corredor de maratona, entretanto, não é a mesma de um halterofilista, que é capaz de suportar cargas muito elevadas. O corredor que se prepara para participar de uma maratona, pelo contrário, deverá treinar seus músculos com cargas mais leves e um grande número de repetições por série de exercícios.

Este tipo de treino tem como objectivo aumentar a resistência muscular, permitindo ao organismo superar com menos dificuldades a batalha da maratona. Desta forma, os músculos do corredor estarão preparados para resistir ao duro castigo imposto pelos 42 km de asfalto. Haja pernas!

Insistimos em afirmar que todo treino deverá ser elaborado e supervisionado por profissionais da educação física e do desporto, reconhecidos pelo órgão competente (CONFEF) e com experiência em corridas de longas distâncias. Esse é o caminho mais seguro para que você atinja seus objectivos mais nobres sem por em risco a sua saúde.

Fonte: www.copacabanarunners.com.br

Related Posts

O que é o VO2 máximo?

Quem corre provavelmente já ouviu o treinador ou algum colega de treino falar sobre VO2...

Hipertrofia. 10 perguntas mais frequentes

É interessante é que independente de quanto tempo passe ou como o cenário da musculação...

Treinar ou descansar após a Maratona?

Para breve inicia-se o mote das maratonas europeias, nas quais Portugal também se faz representar. ...

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Preencha o campo *