Skip to main content

Cuidado com as costas no ciclismo

Artigos, Ciclismo 0 Comment

JogadaEspecialistas orientam a favor do combate a dor lombar em ciclistas, e as possibilidades de intervenção contra o problema.

A dor lombar é bastante comum no ciclismo, com incidência de 30 a 60% entre seus praticantes (in Dettori e Norvell, 20012).

Posições repetitivas de um padrão de flexão da coluna lombar, podem induzir a causas de dores denominadas patologias relacionadas a desordens teciduais: hérnias, degeneração ou alteração nas curvaturas naturais dos discos, ligamentos e vértebras devido a problemas ligamentares, nos discos intervertebrais, e nas estruturas capsulares.

Nesse sentido, identificar os padrões de flexão da coluna, quando associados a dor, principalmente da região lombar (a coluna se divide em quatro: cervical/altura do pescoço, torácica/tórax, lombar/cintura e sacral/nádegas), é de extrema importância para a prevenção de lesões agudas/crônicas no ciclismo.

Anatomia sobre o selim

Estudo de Van Hoof et al (2012), observou a relação entre a flexão da coluna lombar e o surgimento da dor em pedalada de duas horas ao ar livre. Esses resultados demonstram que ciclistas com dor lombar, quando comparados a outros sem o diagnostico, adotaram e sustentaram um padrão com significativo aumento da flexão da coluna lombar.

Também foi identificada uma característica nesses praticantes com dor lombar, relacionada ao seu posicionamento do selim, que passou a ser mais posterior em comparação aos indivíduos sem dor. O problema em adotar essa posição no selim é a tendência à induzir um encaixe da pelve que dificulta o correto ajuste a uma posição mais anterior da cintura pélvica, condição mais favorável para a coluna lombar.

Tem sido sugerido que o individuo com dor lombar adote uma posição que enfatize um ajuste mais anatómico. As possibilidades de intervenção para se atingir esse posicionamento ideal, passam por ajustes no selim e na mesa do guidão, com grande influência do tamanho do quadro e da geometria da bicicleta.

Máquina e atleta

Além da intervenção na configuração da bicicleta, não menos importante é a intervenção no ciclista, por meio de análises posturais sobre a bike e fora dela. Nesse sentido, um estudo de caso de Dankaerts et al (2011) observou consequências da influência da utilização de Terapia Cognitiva Funcional e Biofeedback na função e mobilidade pélvicas e no grau de flexão da coluna lombar de um ciclista com histórico de dores lombares e baixa mobilidade de cintura pélvica.

Esses pacientes foram submetidos a intervenção, com treinamentos posturais e biofeedback via sensores na coluna lombar, e esses dois métodos empregados demonstraram ser úteis para reverter a flexão excessiva da coluna lombar, buscar melhor posição anatômica (aumento da báscula anterior da pelve) e em reduzir a dor durante um período de duas horas de ciclismo de baixa intensidade.

Posição, alongamento e atenção

Em resumo, é importante que o ciclista busque sobre a bicicleta uma posição da coluna mais próxima possível de sua correta posição anatômica em pé. Além disso, complementar seu treinamento de ciclismo com alongamentos e mobilizações, importantes para a boa funcionalidade da musculatura lombo-pelvica.

Funções da sua coluna vertebral, andando de bike, ou a pé!

*Sustenta todo o peso do seu corpo e seu movimento
*Suporta a força de outras partes do corpo, principalmente membros
*Funciona como uma almofada para absorver impactos
*Protege informações nervosas até o cérebro e toda medula espinhal

Fonte: www.ativo.com – Por Tiago Canal Jacques e Rodrigo Bini

Related Posts

Dicas para tomar água durante a prova

Quais as dicas para tomar água em corridas sem engasgar ou diminuir o desempenho? “Sinto...

A passada perfeita do etíope Haile Gebrselassie

O etíope Haile Gebrselassie é um dos maiores nomes da corrida de todos os tempos....

Treino de musculação deve ser lento ou rápido?

Pesquisas que defendem séries de musculação tão rápidas quanto possível causam polémica em ginásios. Especialistas...

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Preencha o campo *