Skip to main content

Como ganhar tempo na transição

Artigos, Triatlo 0 Comment

generic swim start_1600A evolução do triatlo tem sido extremamente rápida, isso se deve ao facto de ser um desporto relativamente novo que surgiu para o mundo no início dos anos 80. Assim as mudanças aconteceram com mais rapidez.

O triatlo que agora ostenta o status de desporto Olímpico, desde 2000, está cada vez mais profissional. Com boas premiações e patrocinadores de grande porte envolvidos, a modalidade cresce muito e chama a atenção da mídia tanto quanto outros desportos mais antigos, como atletismo, natação e o ciclismo.

Isso naturalmente gera uma competitividade extremamente acirrada, aumentando assim o investimento na tecnologia de materiais como: bicicletas, roupas, capacetes, óculos e roupa de natação, ténis de corrida, etc.

Os profissionais envolvidos estão cada vez mais gabaritados e os treinos logicamente mais elaborados. Com isso, as provas que tem sido disputadas ao redor do mundo, cada vez mais estão sendo decididas nos últimos metros. Tanto em distâncias Olímpicas (1,5km/40km/10km) quanto em distâncias maiores como Meio Ironman (1,9km/90km/21km) e Ironman (3,8km/180km/42km).

Sendo assim, uma das etapas do triatlo que se tornou de extrema importância foi a transição. Muitas vezes a transição pode decidir uma prova. Os atletas de alto nível, hoje em dia, treinam quatro modalidades: Natação, ciclismo, corrida e transição. Então vamos agora tentar seguir alguns passos, para se fazer uma boa transição (dentro do triatho).

Natação/ciclismo (1ª transição)
 · Ao entrar na área de transição, vá directo para seu lugar no cavalete e posicione sua bike sempre de frente para a saída. Levando-se em conta a melhor maneira de retira-la do cavalete.

· Deixe a bike sempre numa relação de marchas que não seja nem muito pesado, nem muito leve, para que se possa executar as primeiras pedaladas. Para os amadores recomenda-se 53/17 se o início for plano.

· Para os que já possuem um pouco mais de experiência, pode-se deixar a sapatilha já presa no pedal, bem aberta. Em alguns casos um pouco de vaselina no calcanhar pode ajudar a colocação da sapatilha. Aos que ainda não estão com tanta confiança em calçar a sapatilha já em cima da bike recomenda-se calça-las antes de pegar a bike.

· Deixe o capacete também aberto e virado para o lado que você vai chegar na sua bike. Se você tem o costume de pedalar com óculos, deixe-os dentro do capacete e coloque-os sempre antes. Teste pelo menos duas vezes para pegar o jeito da presilha.

· Coloque os ténis de corrida ao lado da sua bike, prestando a atenção em deixa-los do lado em que você sairá para a corrida. Passe também vaselina nos calcanhares dos ténis para que seu pé entre com mais facilidade. Deixe-os com a lingueta já para fora.

· Após ter feito tudo isso, vá em direcção a saída da transição e visualize sua bike, tendo algum ponto como referência, para não perde-la de vista quando sair da água.

· Ao final da natação, nos últimos 150 a 200 metros, aumente seu ritmo de batida de pernas. Isso aumentará o volume do fluxo sanguíneo nos membros inferiores, que durante a natação se concentra nos membros superiores. Não deixando que isso aconteça somente quando você levantar da água. Com certeza você se sentirá mais rápido na corrida para a transição e também no início do ciclismo.

· A partir da última bóia da natação, procure visualizar toda sua transição, desde o momento que você sair da água até quando estiver pedalando. Isso evitará que você tenha surpresa na transição como, por exemplo, perder sua bike, não conseguir colocar o capacete, etc.

· Se você já é um atleta mais avançado use pequenos elásticos para prender a sapatilha no quadro da bike. Isso a manterá estável e paralela ao solo, não deixando assim que ela fique girando enquanto você tenta calça-la.

Ciclismo/corrida (2ª transição)

· Se você tem um ciclismo forte, recomenda-se que no último quilometro, coloque uma relação de marcha um pouco mais leve, para aumentar um pouco sua RPM. Depois mude ligeiramente de posição em cima da bike, para soltar e descomprimir a musculatura das pernas.

· Como na 1a transição, procure visualizar todos seus momentos dentro da área de transição, desde o momento em que você descer da bike até quando sair para a corrida.

· Se você já tem habilidade, retire seus pés da sapatilha (um de cada vez) poucos metros antes de entrar na transição e já desça correndo, com a bike carregada com uma das mãos.

Se você ainda não tem confiança bastante para isso, vá diminuindo sua velocidade até a linha de desmonte, pare, saia da bike e vá carregando-a até seu lugar no cavalete. Mas tenha cuidado para não escorregar.

· Já de longe olhe para o lugar onde você colocará sua bike e não desvie o olhar, para não correr o risco de acabar seguindo outro atleta.

· Coloque a bike no cavalete, tire o capacete e então coloque o ténis de corrida, que já deve estar pronto para ser calçado.

· O número de corrida, para quem usa cinto de elástico, deve ser colocado em baixo do ténis. Apos calçar o ténis, pegue o número e coloque-o já correndo. O mesmo se aplica a bonés e óculos escuros.

No mais e treinar e ir aperfeiçoando a sua transição a cada prova. Bons treinos!

Fonte: www.webrun.com.br

Related Posts

Gelo pós-treino

Uma das técnicas mais usadas pelos corredores para aliviar a dor pós-treino é a compressa...

Ansiedade pré, durante e pós-competição

Só a ideia de estar lá na largada, com aqueles atletas todos ao seu redor,...

Como construir sua força mental para um Ironman

Quando estamos próximos de enfrentar nosso primeiro Ironman, todos esperamos estar preparados para aquele momento...

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Preencha o campo *