Skip to main content

Após pedalar na chuva

Artigos, Ciclismo 0 Comment

atitude-para-pedalar-na-chuvaApesar de não gostarmos dela durante os passeios, por vezes somos surpreendidos e se não limparmos e lubrificarmos bem a bike, alguns componentes podem ir parar numa sucata qualquer. Os primeiros componentes a serem afetados são os cabos.

Depois da dita chuvarada, os cabos podem enferrujar, por isso devem ser secados e lubrificados. Primeiro deve-se soltar os cabos. Nos travões basta puxar as conduítes (revestimento do cabo) e aplicar graxa branca com as pontas dos dedos ou pincel (algumas pessoas põem WD-40 antes da graxa), mas nada de exageros.

Quanto aos cabos dos desviadores, colocar a corrente na coroa menor (traseira) para deixar os cabos frouxos e fazer o mesmo que fizemos aos cabos dos travões. Ao remontar os cabos e conduítes deve-se passar varias vezes a mudança da marcha para espalhar a lubrificação pelo cabo.

Depois de lavada a corrente, seca-la bem e aplicar WD-40 para retirar a umidade e aplicar óleo especifico para correntes. É importante a limpeza e lubrificação das coroas, para evitar infiltrações no núcleo.

É normal que com a chuva e até durante a limpeza da bike, que entre água para dentro do quadro, quer pelo canote do selim ou por outro lado qualquer, acumulando-se perto do eixo pedaleiro, existindo o risco de que com a oxidação aquela zona não resista a um impacto mais forte. Para evitar isso deve-se virar a bike ao contrário para deixar a água escorrer e aplicar WD-40, para retardar a oxidação.

O quadro deve-se manter limpo de lama e outros detritos, devido ao contato com o aro. A suspenção da bike é relativamente anti-água, devido às borrachas e anéis de proteção no topo. Limpe a parte de cima da suspensão com um pano seco, deixando a lubrificação da suspensão para mãos experientes.

Depois dos cabos e corrente, vêm os cubos, o movimento central e a caixa de direção (sem pára-lamas). Os cubos devem ser deixados para especialistas trocarem a graxa, apesar de não serem muito afetados pela água, a não ser que se entre num rio.

Com o eixo do pedal é praticamente a mesma coisa que os cubos, com a diferença que se deve retirar o movimento central e secar o exterior, para evitar que este fique colado ao quadro com a oxidação, sendo difícil a sua manutenção por um mecânico.

Quanto à caixa de direção, a única coisa que o ciclista pode fazer é instalar um pára-lamas para evitar que a água entre na caixa de direção. É recomendado a lubrificação cada vez que se fizer uma revisão completa à bike. Para os que chegam a casa enlameados, recomenda-se lavar a bike o mais rápido possível e aplicar WD-40 nos cabos e corrente, dando tempo para no outro dia fazer a lubrificação total e completa sem correr o risco de enferrujar de um dia para o outro.

Fonte: www.amigosdebike.com.br

Related Posts

Sindrome do Ironman

O sintoma mais característico percebe-se numa rápida conversa: alguém que começou correr e pedalar faz...

Como ter um bom desempenho na natação?

Pode parecer mentira….mas treinar todos os dias sem se concentrar em um objectivo específico não...

08 dicas para não perder o ritmo

Correr mais rápido ou mais lento nem sempre significa correr melhor. É preciso estar no...

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Preencha o campo *