Skip to main content

Aeróbicos, antes ou depois da musculação?

Artigos, Musculação 0 Comment

Treadmills being used in a gymnasium in Birmingham UKUma das dúvidas ainda comum entre os frequentadores de academia de ginástica ou mesmo de quem vai procurar um treino personalizado é com relação ao confronto das actividades aeróbicas com a musculação.

O que fazer primeiro? Depois da musculação prejudica o trabalho de hipertrofia? Antes serve de aquecimento? E se não fizer? E para emagrecimento o que faço primeiro.

Em primeiro lugar é preciso estabelecer qual é o seu objectivo. Se for emagrecimento as duas actividades são bem vindas em qualquer ordem porque o valor nessa questão é o balanço calórico negativo. Ou seja, a ordem é queimar calorias.

É preciso ainda lembrar que a própria musculação por si só também emagrece contribuindo não só com a diminuição do percentual de gordura como também o aumento da massa muscular e a explicação é simples.

Os anaeróbios como a musculação, emagrecem na mesma proporção. A diferença é que na hora do exercício o corpo utiliza o glicogénio muscular como principal fonte de energia. Depois tem que repor e vai buscar nas gorduras proporcionando o emagrecimento.

Os exercícios anaeróbios propiciam emagrecimento no período pós-exercícios, quando toda actividade metabólica de síntese proteica e glicídica ocorre às custas de energia aeróbia proveniente, na sua maior parte, dos ácidos graxos do tecido adiposo”.

Outro facto é que o aumento da massa muscular acelera o metabolismo basal fazendo a longo prazo o corpo gastar mais energia parado. Os fisiculturistas têm um percentual de gordura tão baixo quanto os atletas de resistência. Portanto, para emagrecer, tanto faz você ir para a passadeira ou bicicleta ergo-métrica antes, depois da musculação ou mesmo dividir aeróbio antes e depois.

Agora, quando o objectivo for musculação visando hipertrofia ou desenvolvimento da força, o questionamento pode mudar. Vai depender muito da intensidade e duração da actividade aeróbia antes ou após a musculação.

As pesquisas mostram resultados, até benéficos, quando essa actividade não passa de 20 minutos com uma intensidade baixa, 40 a 60% da Frequência Cardíaca Máxima. Uma intensidade mais alta ou duração maior, a solicitação motora pode ser contraditória ao desenvolvimento da força ocorrendo o que se conhece em Fisiologia por catabolismo.

Existem trabalhos comparando actividade aeróbia de 20 com 40 minutos sendo favorável à primeira hipótese. Veja as conclusões de estudos de treinamento simultâneo citadas por Fleck:

1) A força muscular pode ser comprometida, especialmente em acções musculares de alta velocidade, pela execução do treino de endurance de alta intensidade.

2) A potência muscular pode ser comprometida pela execução simultânea do treino de força e de endurance.

3) O desempenho anaeróbio pode ser negativamente afectado pelo treino de endurance de alta intensidade.

4) O consumo máximo de oxigénio não é comprometido pela acção simultânea do treino de força e endurance.

5) A endurance não é afectada negativamente pelo treino simultâneo.

Fonte: www.runnerbrasil.com.br

Related Posts

Treinos por tempo ou distância?

Apesar de ser um desporto simples e fácil de se praticar, a corrida possui suas...

Treino de força

Noções de treino, rendimento e resultados ao iniciar um plano de fortalecimento muscular, e seus...

Correr ou não resfriado?

Esta é uma dúvida que poucas vezes atinge o corredor de verdade, entusiasta das passadas....

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Preencha o campo *